segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Old Stuff 2 - Capitão America





Na pilha pelo filme que está quase para estrear, republico aqui um antigo teste que fiz para editoras estrangeiras. Meu amigo Rafael Lanhelas ajudou com os layouts da página. No fim, não conseguimos trabalho... Mas valeu a tentativa.

Fiquem com as páginas, espero que gostem.

Belém tem Disso e Contos da Amazônia.





Continuando minha série de posts sobre trabalhos anteriores que estavam no antigo blog.
Durante dois anos trabalhei nestes dois projetos do título, onde aprendi bastante sobre animação, ediçãoe televisão. É uma pena que tenha chegado ao final.
Uma coisa importante que aprendi foi sobre a divisão de trabalho, organização e principlamente, liderança. É difícil chefiar uma equipe, e mais difícil aceitar que nem tudo sai como a gente quer, afinal cada um tem seu jeito de fazer as coisas.

Além disso, falando artísticamente, foi muito gratificante, e uma experiência fantástica. No "Belém tem disso" acho fui bem sucedido em emular o traço do Sergio Bastos, não apenas eu, mas toda a equipe (Andrey Coelho e Paulo Marques).
Já no "Contos.." eu tive maior liberdade de criação, e pude dar um visual mais cartunesco aos personagens. A simplicidade do traço também dava um charme á mais no trabalho.

Espero no futuro poder trabalhar mais em animação. Depois falo mais sobre a concepção visual dos "Contos da Amazônia".

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

PIRATARIA, e os crimes nossos de cada dia!


Sou colecionador de filmes, games e HQs, e tenho visto muito bafafá pela internet e afins quanto á piraria. Durante muito tempo fui ferrenho lutador pelos direitos autorais, uma vez que sou artista, e minha obras são passíveis de cópia.

Tudo era lindo quando eu morava com meus pais, quando não precisava pagar contas, nem contribuir com a comida. Ganhava bem em meus serviços e gastava tudo em meus hobbies!!
Pois é, gastava.

Agora sou casado, e tenho um filho. Sou chefe da casa e tenho que trabalhar para manter minha família viva. Sobra pouco para manter meus hobbies, e a mera brincadeira me condenou ao horror do débito que não acaba mais... Como todo ser humano, internetizado, não consigo me acomodar com o que tenho, e dou o meu jeito de conseguir o que gosto.

A internet está aí para isso... tambem!
Navegando para fazer meus empréstimos, vejo cada coisa sendo dita, tanto pelo povo que baixa, quanto pelos que lutam contra a pirataria. Cheguei a ouvir que " a pirataria contribui para a miséria do povo" e outras coisas. Trocas de ofensas e brigas sem sentido.
Acho que devemos parar de ser ingênuos, uma vez que isso envolve tanto questões econômicas, morais, sociais, legais e políticas.

Primeiro que download de filmes não é pirataria, segundo que comprar pirata também não é crime direto, mas corrobora com a perpetuação do mesmo.
Veja bem, não estou fazendo apologia da pirataria, mesmo porque, como colecionador, compro sempre o original, apenas acho que não devemos tecer uma opinião cega sem ter conhecimento de causa.


"O comércio, a exposição à venda, ou a distribuição de pirataria é um crime no Brasil. A Lei 10.695, de 1 de Julho de 2003 altera partes do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 acrescentando ao artigo 184, §4º, que ressalva que a criação de uma cópia pelo copista para uso próprio e sem intuito de lucro, do material com direitos autorais, não constitui crime."(fonte: Wikipedia)

Pra começar, vivemos num sistema(capitalismo) em que DEVE EXISTIR a pobreza, pois esta casta social, os "peões" é que sustentam o mais abastados. Trata-se de uma piramide, e a base é que sustenta o topo. Segundo o sistema capitalista, para viver sem problemas, o cidadão menos abastado deveria se conformar em não ter aquilo que não pode comprar. Para os insatisfeitos, a economia cria uma falsa ilusão de poder de compra: o crédito, que nos escraviza, e mantém o salário mínimo do cidadão circulando e gerando receita para os empresários. Até aí, ok, pois a lei corrobora com isso.
O problema é que como todo sistema social, não leva em conta a persistencia do ser humano, que sempre quer mais do que pode ter. Daí surgem maneiras ilícitas ou laboriosas de conseguir o que deseja: seja um filme, um game, uma tv, ou o que for. É lógico que o ilícito é sempre o mais rápido e o mais fácil. Aproveitando-se da fome do povo por entretenimento, que hoje é caro, surge o pirateiro, que nos dias de hoje, é o indivíduo ou organização que comercializa cópias ilegais de produtos patenteados.



Mas aí, temos a internet, milagre da tecnologia, criado como ferramenta de aproximação global e difusão de conhecimento e conteúdo... Uma pedra no sapato do capitalismo! Porquê? Porque, para o capitalismo, tudo é comerciável, tudo é produto. Texto, audiovisual, entretenimento, notícias, etc...

E então alguém muito inteligente resolveu criar os formatos digitais. Ora, se no passado já se tinham criado métodos analógicos de cópia(provavelmente visando o público menos abastado, e pouco se lixando para os direitos autorais...), como a xérox e o gravador de fitas cassete, no momento em que estava-se pensando em digitalizar o centeúdo, já se começou a pensar em copiar também estas informações.
Existem várias desculpas, como formatos menores, menor compactação, fidelidade, mais praticidade, etc... Mas em essência, além de serem formatos padrão para criação de conteúdo, são também padrões de cópia. ISO, MP3, MKV, AVI, são alguns do s mais populares.


Agora, do ponto de vista moral, e isso está em evidência agora, na guerra entre conteúdo material/digital, e no recente destravamento do PS3, temos, com a digitalização de conteúdo, tentaivas de mudança do conceito de posse de conteúdo.

Antes era assim: Voce comprava um filme original, e pode empretar pra quem quiser, quantos quiser. Inclusive, a lei garante que você pode copiar pra você mesmo aquele filme, pra conservar seu original. Mas a lei não protege, mas também não proíbe que você empreste essa cópia. Ora, se o conteúdo digitalizado pode viajar pela internet globalmente, o que impede que se faça um "empréstimo em massa"?

É mais ou menos por esse direito que os internautas brigam, que aliás, é o propósito da internet: Difusão veloz de conteúdo. Isso acaba sendo um problema para a indústria que comercializa trabalhos de autor. Se antes eles perdiam algumas dezenas de consumidores com o empréstimo e compra de usados, agora se perdem bilhões de consumidores com os downloads que eles tentam chamam de ilegais.

Entenda: ilegal não é você baixar e assistir, é você manter conteúdo não oficial, pelo qual você não pagou. Daí o problema do conflito de posse.


A Lei do Milênio Digital é complicada, e muito ainda vai se brigar por isso, pois é difícil você legislar algo que é livre, como a internet e os formatos digitais. Acho muito difícil se chegar a um acordo sobre isso, visto que agora, caiu na rede é peixe.
Só pra você ter uma idéia, de como é complicado, ipócrita e irreal tecermos nossa opinião: Quem nunca baixou um MP3? Quem aqui pagou pelo seu Sistema Operacional?




Outra coisa interessante sobre a economia, é que quando importamos nossos blu-rays e dvds e gift-sets, estamos mandando dinheiro parafora do país, contribuindo para a miséria do povo, de certa forma.contribuindo para a diminuição do PIB.O dinheiro que se gasta colaborando com a pirataria, ou mesmo comprando algo usado, em algum momento, vai voltar pro país, seja quando o vendedor pirateiro pega um ônibus pra voltar pra casa, seja quando ele compra um lanche, seja quando compra comida num supermercado com aquela grana. Se não for ele, vai ser um dos vapores dele.
Segundo a interpol essa grana tem um destino ainda mais sinistro:

"De acordo com dados da Interpol a pirataria está relacionada ao crime organizado, como assaltantes, traficantes de armas, narcotraficantes e ligado até ao terrorismo, movimentando mais de meio trilhão de dólares. Além disso a pirataria está intimamente ligada à exploração infantil, são mais de 250 milhões de crianças trabalhando em regime desumano.

No Brasil, de acordo com a Frente Parlamentar Contra a Pirataria, esse comércio ilegal impede 2 milhões de empregos formais no país e causa um grande rombo nas contas públicas. O Brasil deixa de arrecadar mais de 10 bilhões de Reais"(fonte: Wikipédia)

E tem gente que justifica a pirataria com os preços altos e consequente inacessibilidade de diversos produtos. Assim como tem gente que defende que a culpa dos preços altos é da carga tributária. Bem, é. Mas o buraco é mais embaixo, e isso atinge - ou é atingido por - gente que importa produtos para conseguir coisas melhores e mais baratas.



As altas taxas de impostos de importação são, na verdade, medidas protecionistas. Proteger a moeda local, fazendo com que se prefira comprar produtos locais. O problema, para nós, colecionadores, é que o que queremos não é lançado aqui! Aqui no país, por incrível que pareça, a mão de obra é cara. O nosso miserável salário mínimo é um empecilho pra grandes empresas, as majors, que estão acostumadas a pagar misérias na china e na áfrica, pela mão de obra!

Filmes e games são considerados pelas multinacionais como produtos "premium", de difícil alcance para a massa assalariada.
Parece ser de regra que o investimento em mercados "emergentes" deve ser mínimo, para obter o lucro alto. É um pensamento errôneo, eu sei, mas são ordens superiores. Por isso nossas edições são tão porcas e tem preços tão altos. O preço alto se dá pelo valor da marca. Quanto mais alto o valor agregado, importancia e fama do nome do produto, mais caro ele é. A Disney e a Coca Cola são exemplo disso.


A grande verdade do sistema é: compra quem pode, quem num pode vai buscar de outras formas. Ninguém é melhor do que ninguém. É mais uma questão de sobrevivência do que de moral, e no fim, sempre sai alguém prejudicado. Com certeza, tanto eu como vocês precisamos de muito mais esclarecimentos e de um olhar profundo sobre o nosso próprio comportamento, antes de sairmos defendendo causas que não mudam nada.

Estamos falando de um país onde se aumenta dia pra noite o salário de deputados de 16 para 26 mil reais, e se insiste em se dizer que não há condições de aumentar R$ 30,00 do salário mínimo. A corrupção existe em todo lugar, pois é inerente ao ser humano, o famosos crimes nossos de cada dia, mas no tocante a nós, o Brasil é um país de corrupção acentuada, em todas as camadas


É como disse o Capitão Nascimento: " O sistema é foda, parceiro!"